sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Que tenham emenda...

Hoje, à hora de almoço fui levantar dinheiro a um Multibanco que se encontrava junto a uma esplanada.

Na mesa mais próxima, um grupo de jovens adolescentes (na sua maioria raparigas entre os 13 e os 16 anos), falavam de uma nova novela.

Em 10 palavras que diziam, mais de metade eram asneiras.

Daquelas, que nem nas tabernas onde o vinho é mais forte que o bagaço, podem ser ouvidas.

São alunas num dos colégios privados de referência da cidade de Lisboa.

Bem vestidas e calçadas.

Levadas, pelos seus pais, todas as manhãs, em automóveis topo de gama.

E para quê…?

Assim, não há educação que valha… Nem a pais, nem a professores…


4 comentários:

loira disse...

Mas como nem os carros, nem o dinheiro fazem a educação...
Normalmente estes benzocas, só têm mesmo é o q se vê por fora, prq educação não há!!!!

Bjocas e boa semana...

João Heitor disse...

Lol.
Infelizmente, amiga, na maioria dos casos o que cresce no banco, diminui em outros lados...
Em último caso, nem que sejam as dívidas...

:)

Boa semana p ti tb.

Anónimo disse...

Detesto ouvir asneiras,mas fico chocada quando oiço crianças, adolescentes e jovens usarem este tipo de linguagem.Será para chamarem a atenção? Para se afirmarem perante os amigos? Será para chocarem os adultos?
Não entendo!
bjs da Oriana

João Heitor disse...

Oriana:

Em primeiro e último caso, serão sempre momentos de desconforto e preocupação face aos homens e mulheres do amanhã...

Beijos