quarta-feira, 17 de março de 2010

Como falam (PSD) na lei da rolha, aqui fica um saca rolhas...

Um anónimo colocou aqui este comentário, no post anterior.

“Jao, ja sei que nao vais publicar este comentario, porque como nao te vai agradar vais passar a censura, alias como faz o teu capitao socrates.

Tens o descaramento de acusar toda a gente de corrupcao quando tu estas na camara por favores, por cunha???

E preciso teres descaramento.

Se isto nao e verdade, apresenta o concurso publico pelo qual entraste na camara.”

E como importa esclarecer algumas dúvidas, coloquei esta resposta (nos comentários) que aqui fica para todos os visitantes lerem.

Ao anónimo.
Censura tentaram fazer alguns senhores da Câmara Municipal de Ourém, ao longo de muitos anos, junto do meu falecido pai, só porque eu escrevia uns artigos no Notícias de Ourém a dizer algumas verdades, que só um puto podia escrever, por puto ser... Faltava a coragem a muito boa gente que se acomodava ao sistema.
Censura, aqui não. Mas, há regras. E por isso hoje permito esta publicação para dar umas quantas respostas aqueles que continuam a não ter coragem de dar a cara e revelar a identidade.

Desde os meus 15 anos que sempre dei a cara pela alternativa política neste concelho. E hoje ela pratica-se na gestão municipal.
Mas, mesmo assim, quero esclarecer que Capitão não é Sócrates. Capitão foi Salgueiro Maia que comandou a voz do descontentamento e deu-nos a liberdade (que pessoas como esta que cobardemente aqui postou um comentário, não sabem valorizar).
Não estou a trabalhar na Câmara Municipal. Fui nomeado Administrador da Verourém. Vim abraçar este projecto por convicção e não por conveniência. Não estava desempregado e vim auferir um salário inferior ao que estava a ganhar. E se amanhã quiser sair da Verourém tenho onde continuar a trabalhar. Cunhas são peças que se colocam nos sapatos. Mas essas cunhas que refere eram as práticas do antigo regime do PSD de Ourém.
Concursos públicos são processos administrativos.
Currículo para desenvolver o trabalho que partilho com uma equipa dedicada e empenhada no dia a dia, conquistei-o academicamente numa licenciatura, mum mestrado em gestão e na direcção de uma instituição de ensino superior. Sou o que sou porque aprendi a escutar antes de falar, porque aprendi que a vida em sociedade só se efectiva pelo valor do ser humano.
Tenho muito a aprender, tenho dúvidas e erro. Sou um ser humano. Mas não sou leviano, irresponsável, incongruente, autoritário, mesquinho, cobarde, corrupto, conivente e outros mais adjectivos qualificativos que podemos colocar a umas quantas pessoas, por um sem número de casos gritantes que foram ocorrendo.
As pessoas deste concelho devem saber as verdades e o que aqui se passou durante décadas. O pior que se pode fazer é esquecer o passado. Até porque o estado presente da “arte” = gestão camarária (caos) deve-se a uma herança que nem o Salazar deixou quando tragicamente caiu da cadeira (é que esse deixou os cofres do Banco de Portugal cheios de ouro, mesmo passando fome a maioria da população)...
Caro anónimo: como disse um amigo meu na freguesia de Nossa Senhora das Misericórdias a uma fanática mulher: "Deus lhe perdoe..."

2 comentários:

maria mar disse...

E não é que eu estava presente quando esse "teu amigo" respondeu isso???
Quanto à técnica usada para te atingir, é atacar para nao ser atacado. Quereriam que os cargos de confiança política continuassem entregues aos de antigamente? Quereriam que a equipa de trabalho fosse composta por uma seita de judas? bem, nao é que eles se tenham esfumado, mas...do mal o menos!!!
Bjoca

Anónimo disse...

Pois é...há por aí muito boa gente incomodada porque acabaram-se as nomeações apenas pelo cartão, pelas famílias e pelos favores que se deviam! Acabaram-se as nomeações de gente que nunca soube o que é trabalhar e que tinham o tacho garantido mesmo antes de concluirem a sua formação superior! que nunca souberam o que é andar à procura de emprego ou de desempenhar qualquer outra função laboral antes de serem nomeados para Administradores, Assessores e Adjuntos... Isso está a incomodar as hostes laranjas do concelho de Ourém, porque os seus provetas agoram andam aí "ao tio ao tio" com uma mão atrás e outra à frente, porque pensavam que o tacho era vitalício e agora vêm emergir um jovem que sempre assumiu a sua militância, fez a sua formação, lutou por um emprego, fez especialização e agora está a desempenhar um cargo ao qual, ele não está agarrado! Não estar dependente da politica para ter emprego devia ser condição fundamental para qualquer cidadão desempenhar cargos públicos - e se o PS nalguns casos acabou por fazer o mesmo que o PSD (quer a nível local ou nacional) - o que lamento e repudio - não é, seguramente, o caso do João!
Coragem amigo e que essa verticalidade continue a ser testemunho e exemplo! Estou contigo