quarta-feira, 29 de março de 2006

Fotos do Jantar

No blog da Concelhia de Ourém da JS http://ideaisjovens.blogspot.com/

os meus amigos colocaram algumas fotos do jantar.

Que noite, inesquecível…

domingo, 26 de março de 2006

Obrigado, amigos!

Ontem à noite, convidado por uns quantos amigos de Ourém e de outros concelhos do distrito desloquei-me a um jantar.

Pensava ser um jantar de alguns amigos, pelos quais nos une a amizade, aliado aos meus 30 anos e respectivo término de um percurso, ser a razão de tal encontro.

Porém, à medida que iam chegando, tantos e tantos, de longe e de tempos vividos que só a amizade foi consolidada pelas vivências e laços eternos, me dei conta de um jantar de homenagem. Não merecia, tal jantar.

Sei que contaram com a cumplicidade da minha mãe, dadas as fotografias da minha infância e outras, que por lá estavam espalhadas em cartazes. Afinal, aquelas perguntas e as filmagens, que a Bia me fez, e disse serem para “consumo interno”, serviram para a noite de ontem...

Também senti, a sensibilidade que tiveram, ao convidar os meus amigos. Aqueles que comigo sentem e vivem a palavra Amizade. E olhava pela sala, mesa após mesa, ver sorrir e chorar... Depois, e durante a noite, abraçaram-me, e dedicaram-me palavras de carinho, de felicidade, de camaradagem, de união, de fraternidade…

Não os contei. Sei que eram muitos. Mas, mais que muitos, aqueles e outros que não puderam estar presentes, são dos bons. Mas, muitos eram…

Durante o jantar começaram a chegar mensagens e chamadas de outros amigos. De companheiros de diversas lutas, de diversos palcos. Não podiam estar presentes, diziam, mas não queriam deixar de mandar um abraço, um beijo…

Dei por mim a ver um filme sobre a minha vida, retratado pelos meus amigos.

Falaram de quando nasci, dos percursos que fiz, dos amigos que criei, do trabalho que desenvolvi. Contaram de quando cantei, de quando representei, de quando discursei, de quando trabalhei por uma estrutura de juventude ao longo dos últimos 15 anos. Falaram de quando liderei e participei na Associação de Estudantes e no associativismo.

Dos locais onde estudei, das causas pelas quais lutei, dos amigos que apoiei, até das poesias, pela voz do meu padrinho, um poema meu escutei...

No rosto de cada um, no sorrir, no viver, nas minhas lágrimas, lhes fui agradecer…

Depois foram eles, que se levantaram e foram falar. De mim, deles, de nós, do mundo, do sonho, da amizade...

Esta noite que passou fica na minha memória. Mais. Fica no meu coração. Esta noite foi o Suplemento de Alma, que resulta após anos e anos a dar ouvido às emoções, aos ideais, às causas, às lutas comuns, à solidariedade e à amizade por todos aqueles que, como eu, têm lutado e procuram fazer, dia após dia, na nossa terra, na nossa região, no nosso país, num mundo melhor.

Àqueles que organizaram: Bia tu que foste a capitã de uma equipa constituída pelo Nuno Baptista, Pedro Nobre, Rui Alves, Nuno Pereira, Rui Faria, João Vieira, Rita Miguel, Nádia Pereira, Sandra Pereira, Zé Manuel, obrigado pelo carinho…

Esta foi mais um lembrança que me ofereceram. O símbolo da Concelhia desenhado pelo amigo Luís Cordeiro, que também me brindou com a sua presença. Valeu Luís!

Obrigado, amigos!

sábado, 25 de março de 2006

Atracção fatal...

"Nao sei. Acho que é por causa do cheiro das pessoas. Por isso é que os perfumes e os desodorizantes são tão populares." - João - 9 anos
"Primeiro temos que ser atingidos por uma seta. Depois, deixa de ser uma experiência dolorosa." - Helena - 8 anos.
"Se uma pessoa tiver sardas, ela vai-se sentir atraida por outra que também tenha sardas." - André - 6 anos

segunda-feira, 20 de março de 2006

sexta-feira, 17 de março de 2006

Ver.. e... casar!


"A beleza não tem a ver com sermos bonitos ou não. Eu sou bonito e ainda não encontrei ninguém para casar comigo." - Ricardo - 7 anos

"A idade certa para casar é aos oitenta e quatro anos, porque nesta idade já não precisamos de trabalhar e podemos passar o dia inteiro a namorar com a outra pessoa." - Júlia - 8 anos

"Eu vou-me casar assim que sair do infantário." - Tomas - 5 anos

Nem tudo são rosas, mas...

O governo liderado pelos socialistas e que tem como “timoneiro” José Sócrates, completou um ano de governação. Apesar de um ano ser um período curto para comparar e analisar resultados, importa referir algumas medidas e decisões, que constavam no programa de governo do Partido Socialista e que já foram implementadas.

Assim, há a destacar ao nível da Economia: o incentivo ao uso das energias renováveis; a promoção da concorrência através da Estratégia Nacional para a Energia; a reestruturação da GALP; diversos investimentos por parte de empresas estrangeiras, que vão criar emprego e riqueza.

O Ministério da Administração Interna implementou: o Cartão do Cidadão; a reforma da Lei das Rendas; a desburocratização da criação de empresas com o projecto “Empresa na Hora”.

Nas Finanças o governo procedeu à reestruturação da função pública; ao saneamento das contas do estado; à substituição da avaliação de desempenho; à exigência de um maior rigor na elaboração de orçamentos para as obras públicas, a fim de evitar “derrapagens”.

No sector da Justiça: quinze medidas para descongestionar os tribunais; aprovada a Lei-Quadro da Política Criminal; reduzidas as férias judiciais.

A suspensão das reformas antecipadas, o aumento da contribuição mínima dos independentes e a integração dos funcionários públicos foram as medidas com maior destaque no Ministério da Segurança Social.

Ao nível da Cultura não se vislumbram grandes iniciativas, assim como nas Obras Públicas onde os projectos da Ota e do TGV se têm sobreposto a outras iniciativas e acções governativas, de menor impacto.

Na Defesa, o Ministro conseguiu controlar a contestação militar. Mas, faltam reestruturar as Forças Armadas e rever as carreiras profissionais.

Como Sócrates sempre defendeu, e sustentado por estudos e pareceres técnicos, a co-incineração vai avançar e permitir que toneladas de resíduos tóxicos espalhadas, por algumas regiões do país, possam ser tratadas, servir de combustível, requalificando e preservando a natureza.

A necessidade de conter a despesa pública, que atingiu também o sector da Saúde, obrigou a uma reestruturação de alguns sistemas. Porém, os medicamentos de venda livre foram uma mais valia deste governo.

Naturalmente que “nem tudo são rosas”. Há alguma, e talvez justificada contestação, na área da Saúde com a necessidade do estado rentabilizar recursos humanos e económicos, que podem levar ao encerramento de algumas unidades médicas.

Sabemos que os cortes orçamentais, ditados pelo controlo do deficit, estão a condicionar todos os sectores do estado. Contudo, os mesmos já permitiram um crescimento económico nestes primeiros três meses do ano.

Todavia, a subida do custo de vida, o endividamento das famílias e o encerramento de algumas empresas, aliado ao aumento do desemprego, não são um bom augúrio para os próximos anos.

José Sócrates mantém a popularidade junto da maioria dos cidadãos, conforme o comprovam as sondagens. O Primeiro Ministro tem ganho a simpatia e admiração dos portugueses, por transmitir a necessidade das reformas e a seriedade com que as mesmas estão a ser desenvolvidas, com o objectivo de “endireitar” o país.

A esperança e a vontade de acreditar num futuro melhor devem estar presentes nas nossas acções diárias, no nosso desempenho profissional, na relação social que estabelecemos com os outros e na ajuda que podemos prestar aos mais desfavorecidos.

quinta-feira, 16 de março de 2006

Cabide...

Por vezes há quem fique pendurado.

No cabide, no telefone, no sentir…

Este ficou mesmo por “passar a ferro”…

Será que o desgraçado não sofre de enjoo?

domingo, 12 de março de 2006

Solteiro ou casado?

"As raparigas devem ficar solteiras. Os rapazes devem casar-se para terem alguém que lhes limpe a roupa e lhes faça a comida." - Catarina - 9 anos

"Fico com dor de cabeça só de pensar nesse assunto. Sou muito pequena para pensar nesses problemas." Lina - 9 anos

"Uma das pessoas deve saber preencher um cheque. Mesmo que haja muito amor, é sempre necessário pagar as contas." - Eva - 8 anos

Para reflectir...

Que o mundo está mal dizemos

E vai de mal a pior;

E, afinal nada fazemos

P’ra que ele seja melhor.

L

António Aleixo

sexta-feira, 10 de março de 2006

Desde ontem...

900 pessoas na recepção do senhor...
Fez-me lembrar o tempo da monarquia em que a corte ia bajular o novo rei...
Quanto terá custado esta recepção ao erário público? Hum...?
Boa noite, senhor Presidente…

terça-feira, 7 de março de 2006

São amigos...

A Marinha dos Estados Unidos anunciou haver libertado um terrorista de alto escalão da Al Qaeda, depois de interrogá-lo extensamente durante os 27 dias em que foi mantido prisioneiro a bordo de um porta-aviões norte-americano no Mar da Arábia.
Num gesto humanitário, o terrorista, ao final do interrogatório, recebeu $50 dólares e um Ford Fairlane branco de 1962 no momento em que foi dispensado da custódia.
A foto no anexo mostra o terrorista de volta para casa logo depois de ter sido liberado pela Marinha...

sexta-feira, 3 de março de 2006

Da ponta...

Pode parecer que por vezes, no caminho que percorremos, vamos cair.

Mas, a ponta, o extremo de um caminho, de um lugar, nem sempre significa o fim ou o abismo.

De lá, do pico, da ponta podemos ter outra visão, outra perspectiva, outros horizontes, para uma nova caminhada, para um novo percurso, para uma reconstrução ou aperfeiçoamento interior…

quinta-feira, 2 de março de 2006

Grandes Homens VI

Wolfgang Amadeus Mozart nasceu em Salzburgo, 27 de Janeiro de 1756 — Viena, 5 de Dezembro de 1791.

Foi um compositor e músico da música erudita. Goza de grande prestígio e é um dos mais populares entre as audiências modernas.

Foi uma criança prodígio de uma família musical, que começou a compor minuetos para cravo com a idade de cinco anos.

Köchel numerou as sinfonias de Mozart de 1 a 41.

Mais tarde, outras sinfonias foram descobertas, elevando o número total de sinfonias de Mozart para 50.

O próprio Mozart esclareceu numa carta o seu processo de composição:

“Quer saber como eu componho? Posso dizer-lhe apenas isto: quando me sinto bem disposto, seja na carruagem quando viajo, seja de noite quando durmo, ocorrem-me ideias aos jorros, soberbamente. Como e donde, não sei. As que me agradam, guardo-as como se tivessem sido trazidas por outras pessoas, retenho-as bem na memória e, uma após a outra, delas tomo a parte necessária, para fazer um pastel segundo as regras do contraponto, da harmonia, dos instrumentos, etc. Então, em profundo sossego, sinto aquilo crescer, crescer para a claridade de tal forma que a obra mesmo extensa se completa na minha cabeça e posso abrangê-la de um só relance, como um belo retrato ou uma bela mulher... Quando chego neste ponto, nada mais esqueço, porque boa memória é o maior dom que Deus me deu.”

quarta-feira, 1 de março de 2006

Para...

Para a mulher da minha vida.

A mulher que não precisa de me conquistar.

Aquela que tem aquele lugar único.

Aquela que não esquecemos nunca…

Parabéns mãe!

Ali está Paris... Temos de combinar a nossa viagem!

Beijos do filho que te adora!