quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Sachs, Zundapp ou Famel...

Sobem e baixam os combustíveis.

Falam, argumentam e contra-argumentam, nas rádios e tv’s, os presidentes das Altas Autoridades, das Associações de Revendedores, das empresas...

Seja com talões de desconto dos supermercados, dos descontos de ser sócio disto ou daquilo, nunca, em tempo algum, para encher o depósito se pagou tanto.

Mudam-se os tempos, dirão alguns...

E eu, acrescento, que também se mudam as vontades, completando o pensamento de Luís Vaz de Camões.

A vontade de contrariar, passa, somente, pela força de acreditar, com a razão à frente, para a batalha vencer...

Nos gasóleos e gasolinas, no trabalho, nas relações sociais, desta sociedade que é de todos nós...

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

O desespero - episódio 1

A imagem é, efectivamente, relativa a outros tempos.

Ao tempo dos heróis de referência.

Há quem diga que, outrora, também em Ourém o PSD teve tempos de glória.

Agora, agoniado, emite os comunicados mais circenses e lamentáveis que se conhecem.

Mistura política nacional, com uma saudação aos emigrantes que já cá não estão, com segurança e dando a entender que a falta desta levou a um acontecimento trágico com um cidadão que habitava em Ourém.

Lamenta-se que o PSD tenha de recorrer a estes temas para justificar, o que quer que seja.

Aliás, desculparem-se dos seus erros, com a política nacional é o cúmulo da incapacidade política. O governo de José Sócrates, que a Câmara critica atribuiu 10 milhões de euros (2 milhões de contos) para a requalificação da Av D. José Correia Alves da Silva, na Cova de Iria. A Câmara arrisca-se a perder essa verba porque o tempo que demorou a elaborar um plano e a aprová-lo, foi excessivo... E ainda se queixam do governo???

O mesmo governo que está a fazer chegar o IC9 ao concelho, que requalificou a Estrada Nacional 349, que já garantiu 2 novos médicos de clínica geral para o concelho de Ourém... entre outras...

Mas, esta política do PSD em Ourém, em desespero, é mesmo assim. Já é hábito.

Não dos heróis, que esses nunca se esconderam atrás de quem quer que fosse para fazer a justiça.

E por falar em justiça, é uma injustiça fazerem crer que 1 milhão e 400 mil contos por uma nova Câmara Municipal é obra de orgulho, quando na cidade de Ourém (só para dar este exemplo) alguma da rede de conduta de água ainda deve ser do tempo em que as mesmas eram fabricadas com amianto… Isto sem tratarmos ou referirmos a questão do contrato que a Câmara assinou com a Companhia das Águas e que não está a ser cumprido.

A seu tempo lá iremos.

Com 1 milhão e 400 mil contos, como o PSD de Mafra tem feito naquele concelho, em Ourém podíamos construir complexos escolares em todas as sedes de freguesias, mas, com piscinas…

Parece que nos querem mandar areia para os olhos.

Ai que saudades dos super heróis, dirão alguns...

sábado, 20 de setembro de 2008

Ring the bells...

Numa altura em que dizem que a criminalidade violenta aumentou, os juros das taxas de referência é que não param de aumentar. Isto, numa sociedade mundial de constantes aumentos em vários sectores.

E se para um lado cresce, para outros diminui.

Até diminuem os valores, em detrimento dos cifrões e dos objectivos que temos de alcançar…

E hoje que até já choveu e o ar está abafado. Nem as notícias fazem esquecer a realidade que os outros nos impõem...

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Por mais confuso que pareça...

Todos os animais merecem respeito.

Os irracionais e os racionais.

Se bem que possam existir alguns animais racionais, insensíveis às necessidades do próximo, quietos no conforto das suas cadeiras e na rubrica ou assinatura do seu nome.

Estes animais, racionais, nem mesmo com a teoria do Pavlov, em que as respostas comportamentais são reflexos incondicionados, inatos, em vez de aprendidas, lhes permitem contrariar os seus actos para reflexos condicionados aprendidos por situações agradáveis…

Resumindo e baralhando, a espuma dos dias nada mais reflecte senão a agitação do mar.

Ou, regressando ao mundo animal, nem mesmo quando levam os animais a passear eles adquirem outros conhecimentos ou atitudes. Estão, definitivamente, limitados…

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Que tenham emenda...

Hoje, à hora de almoço fui levantar dinheiro a um Multibanco que se encontrava junto a uma esplanada.

Na mesa mais próxima, um grupo de jovens adolescentes (na sua maioria raparigas entre os 13 e os 16 anos), falavam de uma nova novela.

Em 10 palavras que diziam, mais de metade eram asneiras.

Daquelas, que nem nas tabernas onde o vinho é mais forte que o bagaço, podem ser ouvidas.

São alunas num dos colégios privados de referência da cidade de Lisboa.

Bem vestidas e calçadas.

Levadas, pelos seus pais, todas as manhãs, em automóveis topo de gama.

E para quê…?

Assim, não há educação que valha… Nem a pais, nem a professores…


sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Se fosse com a ASAE....

A recente notícia de mais uma derrapagem nas obras da construção do novo edifício da Câmara Municipal de Ourém, podia ser caracterizada, metaforicamente claro está, como:

“É muita areia para a minha camioneta”.

Esta expressão popular ilustra a incapacidade de suportar alguns "pesos", "responsabilidades" ou "projectos".

Decididamente, o rigor orçamental daqueles que detêm a responsabilidade pelas contas da Câmara tem condicionado, drasticamente o equilíbrio das contas públicas do município.

Cada vez mais se percebe porque é que o candidato Vítor Frazão ainda não tem um projecto para o concelho e, somente, linhas mestras...

Deve andar à procura da ponta... de uma linha...