terça-feira, 30 de novembro de 2004

Eu ia-me embora!

São casos, atrás de casos. Desta vez, um amigo pessoal de Santana Lopes e também Ministro demite-se alegando falta de lealdade, de organização...
Se Santana Lopes é assim com os amigos...
Mas tudo está bem no "país dos laranjas" onde um Ministro "bate com a porta" 4 dias depois de ser nomeado, e tudo está bem...
E tudo está bem para Jorge Sampaio depois do grande erro de ter aceite a nomeação de Santana Lopes como Primeiro Ministro.
Santana Lopes nem sabe o que fazer, nem o que anda a fazer.
Por exemplo, discursa em cerimónias oficiais, como se ainda estivesse no Congresso em Barcelos... Seria à espera de Marcelo, de Cavaco, de Beleza, de Ferreira Leite?
Ri-se para as câmaras à procura da melhor foto que dê capa de revista...
Deixem-me trabalhar!!!Foi a frase que foi recuperada de Cavaco Silva. Mas se a memória não me atraiçoa, Cavaco na altura disse: "Deixem-nos trabalhar!"
A questão de uma ser dita no singular e outra no plural, pode, gramaticalmente exprimir o sentido da governação de Cavaco e de Santana. Santana é um homem só, em que poucos já acreditam. Nem os seus amigos e mais altos dirigentes do PSD lhe dão crédito... Cavaco era homem que tinha um grupo de políticos que o respeitavam, admiravam e apoiavam.
Afinal, a gramática tem destas pequenas coisas... Ilustra-nos a diferença entre um estadista (quer se goste ou não - Cavaco), e uma outra personagem que também gostava de ter sido, ser, ou vir a ser um dia estadista (Santana)... Onde?
Nem que seja numa qualquer Quinta das Nulidades.
Ah... Os professores ultrapassados continuam por colocar...
É mais uma, entre muitas...

segunda-feira, 29 de novembro de 2004

Regaria as rosas com as minhas lágrimas...

Uma amiga enviou-me por email este texto. É de Gabriel Garcia Marquez. Pensador, escritor, cidadão do Mundo, retirou-se da vida pública por razões de saúde: cancro linfático. Este foi o texto que enviou aos seus amigos como carta de despedida.
"Se por um instante Deus se esquecesse de que sou uma marioneta de trapo e me oferecesse mais um pouco de vida, não diria tudo o que penso, mas pensaria tudo o que digo. Daria valor às coisas, não pelo que valem, mas pelo que significam. Dormiria pouco, sonharia mais, entendo que por cada minuto que fechamos os olhos, os sessenta segundos de luz. Andaria quando os outros param, acordaria quando os outros dormem. Ouviria quando os outros falam, e como desfrutaria de um bom gelado de chocolate! Se Deus me oferecesse um pouco de vida, vestir-me-ia de forma simples, deixando a descoberto, não apenas o meu corpo, mas também a minha alma. Meu Deus, se eu tivesse um coração, escreveria o meu ódio sobre o gelo e esperava que nascesse o sol. Pintaria com um sonho de Van Gogh sobre as estrelas de um poema de Benedetti, e uma canção de Serrat seria a serenata que ofereceria à lua. Regaria as rosas com as minhas lágrimas para sentir a dor dos seus espinhos e o beijo encarnado das suas pétalas... Meu Deus, se eu tivesse um pouco de vida... Não deixaria passar um só dia sem dizer às pessoas de quem gosto que gosto delas. Convenceria cada mulher ou homem que é o meu favorito e viveria apaixonado pelo amor. Aos homens provar-lhes-ia como estão equivocados ao pensar que deixam de se apaixonar quando envelhecem, sem saberem que envelhecem quando deixam de se apaixonar! A uma criança, dar-lhe-ia asas, mas teria que aprender a voar sozinha. Aos velhos, ensinar-lhes-ia que a morte não chega com a velhice, mas sim com o esquecimento. Tantas coisas aprendi com vocês, os homens... Aprendi que todo o mundo quer viver em cima da montanha, sem saber que a verdadeira felicidade está na forma de subir a encosta. Aprendi que quando um recém-nascido aperta com a sua pequena mão, pela primeira vez, o dedo do seu pai, o tem agarrado para sempre. Aprendi que um homem só tem direito a olhar outro de cima para baixo quando vai ajudá-lo a levantar-se. São tantas as coisas que pude aprender com vocês, mas não me hão-de servir realmente de muito, porque quando me guardarem dentro dessa maleta, infelizmente estarei a morrer..."
GABRIEL GARCIA MARQUEZ

domingo, 28 de novembro de 2004

Recorde! 1 Semana!

O Ministro da Juventude, Desporto e Reabilitação, Henrique Chaves, que estava neste cargo há apenas 1 semana, apresentou hoje a sua demissão alegando "que não concebe a vida política e o exercício de cargos públicos sem uma relação de lealdade entre as pessoas".

A pergunta que se coloca é simples. Porque é que eles estão a demorar tanto a "cair"? Esta demissão deve ser o recorde de tempo como Ministro num Governo, após a instauração da democracia em Portugal...

Só falta o Santana e o Portas seguirem os passos deste Henrique Chaves, que demonstrou com esta posição ser um homem com princípios.


sexta-feira, 26 de novembro de 2004

Morre lentamente...

Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.
Morre lentamente, quem abandona um projecto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples facto de respirar.
Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade.

PABLO NERUDA

quarta-feira, 24 de novembro de 2004

Made in Ucrania = Século XX Português em 40 anos

O alargamento da Europa a Leste, e a abertura das fronteiras, fez de Portugal, no panorama da União Europeia, um dos países mais procurados por cidadãos Ucranianos. Falam em cerca de 150 mil, ultrapassando já os emigrantes oriundos das ex-colónias...

A Ucrânia, foi a votos para eleger o seu Presidente, tendo a Comissão Eleitoral anunciado como vencedor Viktor Ianukovitch.
O candidato da oposição continua a não reconhecer os resultados e pede a repetição da segunda volta das eleições. Curiosamente, os emigrantes Ucranianos presentes em Portugal, na sua maioria, apoiam o candidado da oposição. Leia-se candidato da oposição, como aquele que não é apoiado por Moscovo, aquele que pretende efectuar profundas reformas estruturais, aquele que quer uma aproximação à Europa... Por alguma razão os cidadãos Ucranianos tiveram de emigrar... Por alguma razão os cidadãos Ucranianos querem mudanças e reformas...
Mas estranhamente, ou não, nas ex-Repúblicas Soviéticas, lá continuam a vencer os candidatos com ligações ao Kremlim...

E a história apenas se repete.
Mudam apenas os cenários. Os povos, as datas....
Há uma ligeira parecença com os idos tempos de 40 anos de ditatura, num Portugal remoto, em que os Portugueses tiveram de emigrar para todo o Mundo, para não morrerem de fome...

segunda-feira, 22 de novembro de 2004

De Bestial a Besta e vice-versa...

Nos percursos que calcorreamos vida fora, encontramos personagens (gente), que nos trata bem ou nos trata mal. Que nos considera gente de bem, ou gente...

Somos, consoante as circunstâncias, catalogados de Bestiais, se lhes agradamos, ou algo existe em nós que lhes agrada, lhes convém...

Outros há, que talvez por não termos nada que lhes convém (uma influência, um lugar, um sorriso, uma conveniência...), nos consideram Bestas...

Vem esta reflexão às teclas do computador, por vermos e assistirmos a inúmeras situações onde as relações humanas se esticam no mais profundo cinismo, na mais requintada hipocrisia, no mais explorador dos interesses....

Se agradas e convéns ao outro és um «must»! És Bestial!Se não agradas, se não convéns aos interesses do(s) outro(s), corres o risco de ser difamado, e carimbado de Besta...

Outros há (os mais cínicos), que por vezes consideram alguém como uma Besta. Porém, o cenário altera-se (no emprego, num grupo de amigos, na vida social, na política) e aí, dados os circunstancialismos momentâneos levam-os a mudarem o «discurso», e a «mimarem» a outra pessoa… Agora que interessa, é um(a) «querido», uma pessoa competente, um(a) amigo(a)...

Pergunta final: por mais que as relações humanas, alimentadas por uma sociedade de consumo desenfreada, nos «banhem» diariamente com situações deste género, não era tempo, das pessoas verticais, fiéis aos seus princípios, aos valores da sã convivência, se juntarem para desmascararem estas «ratazanas» que infectam a nossa terra, a nossa associação, a nossa escola, o nosso grupo de amigos?
Como, perguntam vocês? Tirando-lhes a «máscara». Puxando-lhes o tapete sob o qual eles limparam os pés, sem se terem apercebido que afinal o tapete era uma pessoa... Colocando-os no seu devido lugar, cobertos pela mesquinhez e mediocridade dos seus pensamentos, dos seus actos...

Vale o desafio? Não custa nada tentar...

O São Pedro e o céu, se é que há céu e inferno, agradecem...

sábado, 20 de novembro de 2004

Mais de 200 visitas em 7 dias...

Iniciei este Blog em Agosto de 2004. Divulguei-o, inicialmente, pelos amigos. Por poucos. Depois alarguei a informação. Contudo, desconhecia se ele era lido, visto, visitado...
Desde que a minha amiga BLOGOtinha melhorou o Suplemento de Alma, passei a ter um contador de entradas/visitas no Blog.
Na primeira semana em que o contador iniciou a sua função, entraram neste Blog mais de 200 pessoas/visitas.
Tendo em conta que cada visita só é contada uma vez por dia, há motivos para sorrir por existir uma média de 28 pessoas, diferentes, nas 24h de cada dia, a visitarem estas humildes, simples, mas sinceras palavras.
Num Blog que procura fazer uma análise politica, abordando a poesia e a vida social deste nosso Portugal, há razões para estar feliz, e continuar com este projecto de todos.
A todos, o meu obrigado.

sexta-feira, 19 de novembro de 2004

Acordem! Agitem Bandeiras!

Mário Soares defendeu que "só a restituição da voz aos cidadãos pode evitar revoltas descontroladas" e que só ainda não houve "aventuras militares" devido à integração de Portugal na União Europeia.

Esta reflexão, de um dos pais da democracia portuguesa, carrega, não só o peso político e intelectual do seu autor, como a opinião sincera e desprendida, que é partilhada pelos cidadãos mais esclarecidos deste país.
Por mais que a classe política esteja descredibilizada, há que apelar à consciência cívica de todos os cidadãos.
Há que procurar sair da "depressão" generalizada, causada pela descredibilização dos principais sectores da sociedade.

Mário Soares também alertou para o "polvo da corrupção que alastra os seus tentáculos no Estado, na sociedade e nas autarquias" a níveis que nem na ditadura existiram.

Perante esta situação, há que procurar alertar as nossas consciências adormecidas e mudar.
Mudar o que de mal existe na nossa rua, na nossa terra, no nosso país. Só assim, cumpriremos a nossa função como cidadãos, livres e construtores de um mundo melhor.

quinta-feira, 18 de novembro de 2004

18 de Novembro 2002

Hoje foi dia de reflectir. De reflectir um pouco mais.Mais do que é normal. De lembrar, um pouco mais... Como as saudades nos cortam, como uma faca invisível...

Mas hoje também é dia de pensar que a vida está aqui, em nossas mãos, para ser vivida.

E só assim, sem guerras e "coisas estúpidas" conseguiremos dar, receber e partilhar o que de bom há na vida.

Com letras verdes, pela esperança que deve inundar os nossos pensamentos, aliada à fé que nos acalenta a alma.

quarta-feira, 17 de novembro de 2004

Mais coragem?

Santana Lopes disse hoje de manhã na apresentação do Orçamento de Estado para o novo ano, que "O Orçamento de Estado para o próximo ano, vai ser um Orçamento de coragem..."
Coragem para quem? Para, os mesmos de sempre? Os Portugueses... só pode!
"Aguentemo-nos..."


segunda-feira, 15 de novembro de 2004

Eles não têm mão, neles próprios...

O director de informação da RTP, José Rodrigues dos Santos, assim como toda a Direcção de Informação da RTP, apresentaram hoje as suas demissões dos cargos.
Em notícia avançada no sábado anterior pelo "Expresso", o Governo admitia proceder a eventuais alterações na direcção de informação da RTP. O que comporta um claro processo de intromissão, na gestão e funcionamento da RTP, já que a Direcção de Informação da RTP depende da escolha do Conselho de Administração, sendo posteriormente rectificado e aceite pela Alta Autoridade para a Comunicação Social.
Há quem defenda, que a continuidade de José Rodrigues dos Santos como director de informação, estava em processo de avaliação. O que nos pode levar a pensar, que se ele não “se portasse bem”…
No Comunicado da Administração da RTP é falado que a Direcção de Informação se demitiu, "apenas por uma nomeação de um correspondente da RTP".
A questão, segundo me foi dito, passou por existir uma vaga de correspondente da RTP em Madrid, tendo havido algumas pressões governamentais para a escolha de um determinado jornalista para o lugar…
A serem verdade estas questões elas ilustram uma procura do controlo do governo, na gestão da comunicação social estatal.
Depois do "caso Marcelo", "rebenta" mais uma "bronca" na comunicação social, com possíveis intromissões dos governantes do PSD...
Mais palavras, para quê?

Os Palestinianos estão mais pobres

A reflexão fria, depois das emoções humanas, quando algo nos mexe por dentro...

Milhares de Palestinianos despediram-se de Arafat, em Ramallah. O Presidente da Palestina ficou sepultado na Mugata, no local onde existiu o edifício, que nos últimos anos sofreu constantes ataques de tanques israelitas.
Yasser Arafat foi um combatente, em dois sentidos. Pegou em armas para defender o seu povo, que sempre lhe foi fiel, e procurou a paz. Muitos líderes internacionais, assim como ex – Chefes de Estado, relembram um discurso de Arafat, onde ele segurava numa mão uma arma, e na outra, um ramo de oliveira. Numa mão segurava a arma que dizia utilizar caso Israel continuasse a invadir o território da Palestina, com a construção de colonatos para judeus. A arma simbolizava a luta armada. Com a outra, segurava um ramo de oliveira, como símbolo da paz que procurava constantemente.
Arafat serviu o seu povo, durante toda a sua vida. Homem íntegro e firme nas suas convicções teve no seu funeral dezenas de Presidentes, Reis e os mais altos dirigentes mundiais.
Há quem diga que com o seu desaparecimento físico (porque ele continua presente na memória dos Palestinianos) novas portas se abrem para uma solução pacífica. Não acreditamos que tal seja possível. O povo da Palestina, por mais que seja liderado por um dirigente Palestiniano mais “subserviente” aos interesses de Israel, jamais deixará de lutar pelos seus direitos.
O povo da Palestina tem direito a viver num país livre, sem guerra, com progresso e liberdade de acção e pensamento.

sábado, 13 de novembro de 2004

Domi contigo...

Dormi contigo a noite inteira junto do mar, na ilha.
Selvagem e doce eras entre o prazer e o sono,
entre o fogo e a água.
Talvez bem tarde nossos sonos se uniram
na altura e no fundo, em cima como ramos
que um mesmo vento move,
em baixo como raízes vermelhas que se tocam.
Talvez teu sono se separou do meu
e pelo mar escuro me procurava como antes,
quando nem existias, quando sem te enxergar
naveguei a teu lado e teus olhos buscavam
o que agora / pão, vinho, amor e cólera / te dou,
cheias as mãos, porque tu és a taça
que só esperava os dons da minha vida.
Dormi junto contigo a noite inteira,
enquanto a escura terra gira com vivos e com mortos,
de repente desperto e no meio da sombra
meu braço rodeava tua cintura.
Nem a noite nem o sonho puderam separar-nos.
Dormi contigo, amor, despertei,
e tua boca saída de teu sono me deu o sabor da terra,
de água-marinha, de algas, de tua íntima vida,
e recebi teu beijo molhado pela aurora
como se me chegasse do mar que nos rodeia.
Pablo Neruda

sexta-feira, 12 de novembro de 2004

Última Hora!!!

Nas vésperas do Congresso Nacional onde Santana Lopes vai ser "nomeado" líder do PPD/PSD, surge esta informação no Portugal Diário:

Pedro Santana Lopes pode ser julgado por dívida.
Associação reclama por incumprimento de contrato. Valor em falta atinge quase 3500 euros. Caso remonta a 1998 e segue agora em tribunal, no início de Dezembro.

Está tudo aqui:
http://www.portugaldiario.iol.pt/noticias/noticia.php?id=467918

Será julgado só por esta questão?
E o julgamento dos Portugueses face à sua prestação à frente do governo?
Mas podem começar pelos judiciais... Ajuda ao outro...

Há prioridades!

Na pequena localidade da Quinta da Sardinha, freguesia de Santa Catarina da Serra, Concelho de Leiria, há uma escola do 1º Ciclo, que se encontra "literalmente" rodeada (pela esquerda, por trás e pela direita do edificio) por uma Industria de Madeiras.
Em frente da Escola, passa a Estrada Nacional 113, onde o tráfego é muito intenso.
As questões que coloco são simples:
- Em que condições os alunos ouvem a professora, e a professora os ouve a eles?
- Quais são as condições que os alunos têm para se concentrar, tendo em conta o constante ruído das máquinas, e das entradas e saidas de camiões naquela unidade industrial?
- Em que condições de segurança (face a incêndios ou qualquer outro acidente numa unidade deste tipo), se encontram as crianças que estão naquela escola?
- Em que condições, chegam à escola e saem da escola aquelas crianças, junto à Estrada Nacional 113?
Não olham as autoridades escolares, municipais e regionais para esta situação?
Não existem verbas que permitam transferir a escola daquele local para outro, mais digno e apropriado, para um estabelecimento de ensino?
Estarão as autoridades à espera que aconteça alguma catástrofe para depois actuarem?
Se prioridades neste país devem haver, esta, é uma delas.
As crianças de hoje são os homens de amanhã...

quinta-feira, 11 de novembro de 2004

Haloscan commenting and trackback have been added to this blog.

Tribunal é a solução!

Recuso-me a evidenciar, mais vezes, a inoperância deste governo.
Continuo sem colocação a 1 mês do Natal.
Não, não é por não ter dinheiro para as prendas de Natal.
É por terem passado 2 meses sob o iníco das aulas e ainda estar em casa.
E depois de ter sido ultrapassado, por colegas com graduação inferior à minha.
Quem me vai recolocar numa escola? Quem me vai contar o tempo de serviço perdido?
O Pedro Santana Lopes? A Cinha Jardim? O Paulo Portas?
Talvez um juiz...
Sim, porque penso seriamente em colocar um advogado a tratar da minha situação!
Nem que tenha de gastar o dinheiro do subsídio de desemprego (que ainda não chegou), a defender os meus interesses, e a dignidade da classe docente.
Colocar um advogado a defender a legalidade e clareza dos processos administrativos de um Ministério, de um Governo, pertencente à União Europeia...

Obrigado amiga!

O Suplemento de Alma tem um novo "look" graças à amiga e colega Gotinha!
Espero que gostem.
O acesso a Blog's da minha preferência, assim como à imprensa e rádio, permitem aos visitantes "viajar" por outros "mundos" da blogosfera, neste mesmo nosso Mundo que dá pelo nome de Planeta Terra!
Ah. A foto deixada pela Gotinha, além de ter sido escolhida com bom gosto, é, simultaneamente, uma tentação...

Novidades

Olá Suplementador!
A teu pedido já inseri a lista de links favoritos na barra do lado direito. Quando tiver um tempinho altero o sistema de comentários! Já agora, vou colocar uma imagem para celebrar as modificações! Espero que gostes!
Um beijinho da Gotinha!!

quarta-feira, 10 de novembro de 2004

Amor de Amar!

Chegarás sempre na última palavra
na tarde noturna do desejo
onde a paixão se recolhe
e deposita até os fantasmas
febris do desespero.
Chegarás na bruma
das sílabas sonoras do amor
o ar sonando no sonho
como uma nuvem que se perdeu
e fica boiando no horizonte.
Chegarás como a sombra
quente do sol
esquecida no adeus.
Chegarás para dizerque o amor revela-se
à luz noturna das palavras.
Amor de amar.

Luíz de Miranda

domingo, 7 de novembro de 2004

SCUT'S

O governo anunciou que vai colocar portagens nas chamadas SCUT'S.
As autoestradas sem portagens existentes em Portugal, servem principalmente o interior do nosso país. Quem nelas circula, não paga. É o estado, que através de um contrato, paga as viagens que os portgueses efectuam nestas vias. Este pagamente é efectuado através do Orçamento de Estado.
O PSD argumenta que os portugueses de Lisboa ou do Alentejo, como contribuintes, não devem pagar por estradas por onde nunca passaram ou nunca irão passar. Este raciocínio está correcto. Porém, ferido de "cinismo". E porquê?
Também os cidadãos da Guarda ou de Castelo Branco ou de Viseu, nunca andaram de metro, ou de autocarro da CARRIS em Lisboa, e nos últimos 12 anos, os Transportes de Lisboa "absorveram" do Orçamento de Estado milhões de contos em prejuízos...
Também as pessoas de Vila Real, da Covilhã, de Penacova podem nunca ter andado de avião, ou nunca vir a andar, mas também a TAP já se "socorreu" de milhões de contos do Orçamento de Estado para saldar as suas dívidas resultantes de más gestões...
Este argumento do PSD, é assim, "fraco".
As SCUT'S constituem em si mesmas, uma forma de solidariedade, de investimento no interior do país. As SCUT'S contribuem para o desenvolvimento do interior do país.
E já agora, quantos milhões de euros não serão necessários para colocar praças de portagens em todas as saídas (e são muitas) do IP5, IP3, A23...
Quando é que estes milhões seriam, ou serão recuperados?
E neste tempo perdido, quais não serão os recuos das gentes do interior?
São estas as medidas de Santana Lopes e do "mágico" Bagão?
Assim, qualquer um de nós podia ser primeiro ministro ou ministro de Portugal! Vendem tudo...

sexta-feira, 5 de novembro de 2004

"... rompam aos saltos e aos pinotes..."

A poesia de Mário de Sá-Carneiro, "chama por mim", em momentos de melancolia, tristeza e desalento.
Será, talvez, resultado de o ter estudado.
E saber que a sua vida, teve em muito, a tristeza, a angustia sentida...

PIED-DE-NEZ

Lá anda a minha Dor às cambalhotas
No salão de vermelho atapetado -
Meu cetim de ternura engordurado,
Rendas da minha ânsia todas rotas...

O Erro sempre a rir-me em destrambelho -
Falso mistério, mas que não se abrange...
De antigo armário que agoirento range,
Minh'alma actual o esverdinhado espelho...

Chora em mim um palhaço às piruetas;
O meu castelo em Espanha, ei-lo vendido -
E, entretanto, foram de violetas,

Deram-me beijos sem os ter pedido...
Mas como sempre, ao fim - bandeiras pretas,
Tômbolas falsas, carroussel partido...

Mário de Sá-Carneiro

quarta-feira, 3 de novembro de 2004

O país das interrogações...

Acompanhei até às 4 da manhã, os resultados e previsões eleitoriais dos EUA.
Após várias horas em frente das televisões nacionais e internacionais, e depois de ouvir várias teses defendidas pelos habituais comentadores e "pseudo-intelectuais" da política americana, muitas questões nasceram na mente, no pensamento simples, de um comum mortal.
Como é que num país com centenas de milhões de habitantes as eleições são disputadas quases "voto a voto"?
Como é que num país como os EUA, os governos de cada Estado podem ter díspares leis relativamente aos processos eleitorais e contagem de votos?
Como é que num país como os EUA podem as televisões dar resultados eleitorais quando ainda estão mesas de voto abertas a votar?
E a que mais me inquieta, é a de como é que um país destes comanda o mundo?

E nós deixamos...