quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Não me arrancam o ser...

De ponte em ponte, passa a água e o tempo. Só não deixamos de ser nós, pelo que somos, acreditamos e pensamos. E isso existam as pontes que existirem, passe a água que passar, ninguém nos arranca…

Sem comentários: