sexta-feira, 15 de julho de 2011

São estes e outros os ensinamentos esquecidos...


“Os 3 últimos desejos de "Alexandre O Grande” foram expressos à beira da morte e perante os seus generais os enunciou:



1º Que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da época;



2º Que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistados (prata, ouro, pedras preciosas...);



3º Que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão, à vista de todos.



Um dos seus generais, admirado com esses desejos insólitos, perguntou a Alexandre quais as razões. Alexandre explicou:



1º Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles não têm o poder de cura perante a morte;



2º Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem;



3º Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos.”



E no intervalo entre estas palavras e uma reflexão interna, em escassos segundos, a nossa alma pode encaminhar-se para dezenas de ocorrências, de questões, de incomodos pessoais e sociais.


Pessoais, pela condição humana de que somos feitos...


Sociais, pelos condicionalismos a que somos sujeitos...


E, também no intervalo entre ambos, pisando, imaginariamente, os mosaicos pretos e brancos da pureza do nosso viver, importa afirmar que na primeira e na última instância, somos os construtores da nossa essência...

1 comentário:

Anónimo disse...

:D Grande verdade!!

Porque a vida é uma passagem, há que valorizar o que realmente importa e viver com o suficiente para se ser feliz.:)

E, na construção da nossa essência, que se viva de acordo com o que acreditamos valer a pena!:)

Só assim faz sentido...

Vaps