sábado, 11 de setembro de 2010

Os edifícios que nos fazem...

Esta noite entrei no jardim-de-infância onde a Leonor vai começar o seu percurso escolar na próxima segunda-feira, dia 13.

No mesmo edifíco onde a minha mãe deu aulas do 1º ciclo há mais de 30 anos.

No mesmo edificio onde, posteriormente, esteve sedeada a Delegação Escolar do concelho de Ourém, e onde o meu pai trabalhou.

No mesmo edificio onde em pequeno estive com a minha mãe, onde em adolescente ia ter com o meu pai, e onde a partir de segunda feira deixarei a Leonor no começo do dia para a sua construção social, humana e intrínseca, que ali alinhará.

Poderia escrever que os percursos do Homem repetem-se em cada rotina prevista e programada.

Porém, na incerteza da vida e da volatilidade laboral, nada previa que estas coincidências repartidas por mais de três décadas, hoje, e em mim, fariam despertar o sorrir pela memória do meu pai, pelo respeito e admiração à minha mãe, e pelo amor que tenho à minha filha.

Desviando do centralismo familiar da ocorrência, permito-me ainda registar a solidez das estruturas educativas, o empenho das famílias e a alegria das crianças que neste fim de tarde e princípio de noite confirmaram o conceito de comunidade educativa. Essas duas palavras que tantas vezes ou somente escritas nos livros teóricos dos estudiosos da educação, da psicologia e da política se encontram.

Os edificios são pedras, madeira, tijolos. Mas neles vivem, crescem, aprendem, e se fazem estórias na linha da vida dos Homens. Esses edificios tornam-se assim elos de ligações entre o frio Inverno do normativo e o quente respirar de quem neles e deles faz o seu caminho...

5 comentários:

Valéria Gomes disse...

Devo parabenizá-lo, pois vejo que estas três décadas, se cumpriram com grande sucesso, visto no homem inteligente que és e agora é a continuidade desse sucesso através de tua filhota.

Beijos no coração!!!

mlu disse...

Nestas três gerações se concentram sonhos, esforços e esperanças que têm triunfado, à custa da vontade e da entrega à construção da Vida! Que tudo isto continue com a Leonor!

Bjinhos.

maria mar disse...

Gostei desse teu retrato de ciclo de vida que, por acaso, só por mero acaso após os "sítios" por onde andaste, se repete. Sentei-me nesse edificio nunca como aluna, mas em reunioes de docentes, onde estava o teu pai, mãe e tantos outros colegas, e não é que eu me lembro de te ver "lingrinhas" por lá? LOL
Gande beijinho para a Nônô que inicia um ciclo de aprendizagens diferente, mais responsavel, interactivo e espero que enriquecedor e de sucesso. Para os pais "babosos" nao vai nada, nada, nada? Vai um "aferriááá"!!!!
Jinho

João Heitor disse...

Obrigado a todas que aqui reforçaram os laços que o tempo manteve, sobre um edifício, e no percurso de vida da Leonor.
Este também é o orgulho de um pai.
Este também é o momento de registar, quebrando a monotonia dos dias a quem não vincamos a nossa existência.
Um beijinho

Anónimo disse...

Parabéns pelo Post!!

Sempre ao mais alto nível ;-)

Surpreendes-me a cada dia que passa...

Um beijo

PCMT