sábado, 12 de fevereiro de 2005

É preciso discernimento!

Todas as manhãs, aquando do percurso de automóvel que efectuo de casa para a escola, levo o rádio sintonizado numa estação que a maioria dos meus alunos ouvem diariamente.

Tenho-o feito para me “actualizar” com as músicas que as novas gerações apreciam, procurando assim entender alguns comportamentos, gostos individuais e atitudes colectivas dos alunos com quem trabalho.

As rádios, a par com os canais televisivos, exercem uma grande influência junto daqueles que as ouvem/vêem.

Na manhã de hoje, a locutora dessa estação de projecção e cobertura nacional, que é líder de audiências no “mercado” de ouvintes entre os 12 e os 22 anos, fazia uma dissertação onde satirizava as eleições do próximo dia 20 de Fevereiro. A referida “profissional de rádio?!?” apresentava-se aos ouvintes como candidata a 1ª Ministra. Procurando efectuar um discurso político, usou termos pouco correctos, brincando com os dirigentes partidários de todos os quadrantes políticos e com a importância do voto. No final do deplorável texto, que só pode ter sido escrito num dia “infeliz”, a locutora apelava a todos os jovens eleitores que fossem votar, colocando no boletim de voto o nome dela, e à frente um quadrado com uma cruz.

Estes tipos de acções apenas contribuem para uma contínua e acentuada descredibilização da política. Com estes textos, é normal que os jovens vejam a política como uma “coisa negativa”, com a qual se pode zombar.

Não é aceitável que uma locutora brinque com a política, apelando indirectamente ao voto nulo, junto dos jovens ouvintes. O que se esperava de uma locutora de rádio, em vésperas de eleições, com um público ouvinte maioritariamente constituído por jovens recém recenseados e futuros eleitores eram textos positivos, apelos ao voto. Essa era a sua responsabilidade social, ética e deontológica.

O direito ao voto resultou de uma conquista, de homens e mulheres, que ao longo de décadas lutaram pela liberdade, pela igualdade, pelos direitos humanos, pela instauração de uma democracia. A democracia só funciona com partidos políticos. Tenham eles gente “boa” e “menos boa”, tenham eles “bons” ou “menos bons projectos”.

Ao escutarmos críticas permanentes, e na maior parte das vezes críticas infundamentadas aos partidos políticos, estamos a fragilizar a democracia.

Talvez já se tenham esquecido dos “tempos da outra senhora”, onde a liberdade de expressão não existia. Nessa altura não havia espaço para textos desta índole. Se eles aparecessem, também logo apareciam os senhores da PIDE para “levar” aqueles que haviam “prevaricado”…

Não descuremos a democracia, nem os valores conquistados e adquiridos em Abril de 74.

Votar não é um direito. É mais do que isso, é um dever cívico.


Sem comentários: